sábado, 23 de fevereiro de 2008

Quem conhece a realidade?


Somente Aquele que disse “Eu sou a verdade” é que pode dizer que conhece toda a realidade.

Quem jamais conheceu a realidade? O que nós chamamos de realidade não existe a não ser nos nossos olhos. Porém, se pudesse ser vista por todos os ângulos e variáveis que envolvem a mesma coisa que chamamos de realidade, a nossa percepção de realidade sairia envergonhada pelo desvendamento de sua certeza-do-real como sendo mera e burra arrogância fantasiosa.

O melhor mandamento acerca da realidade é aquele que manda não julgar a ninguém. Assim, se afirma que a maior realidade possível ao homem, é a certeza que ele pode ter de não conhecer a realidade. Uma única mudança de humor transmuda e desfigura o mundo inteiro diante de nossos olhos, ou, paradoxalmente, o torna belo e desejável, apesar de tudo. Desse modo, não conhecendo quase nada acerca da realidade, e enxergando-a sempre a partir da parcialidade e da passionalidade de meu olhar, o que de melhor posso fazer por mim mesmo, em minha ignorância, é julgar cada vez menos, e buscar amar cada vez mais; pois, é somente por tal via que saber ou não saber perde a relevância diante da possibilidade de que os olhos sejam iluminados de dentro para fora; criando e iluminando a realidade que de mim se projeta.

Se não conheço a realidade, exceto uma ínfima parte dela, melhor do que buscar a luz que vem de fora como um saber supostamente pertinente ao que é real, ao contrário disto, devo me deixar acender, de dentro para fora, pela luz que produz um olhar que cria a realidade conforme a verdade, posto que a única realidade que me serve é aquela que é feita de verdade-fato-do-amor, que é o único elemento que dura para sempre, pois jamais acaba; sendo, portanto, de fato, real.

Assim, posso dizer que fora das produções do amor, toda realidade é apenas soma de olhares confusos e perdidos; pois, sem amor, até o que seria, não é; e mediante o amor, até o que não é, passa a ser. O único senso possível de realidade-verdade é aquele que é fruto do olhar que enxerga pela luz do amor. Sem o olhar do amor, até a maior realidade-fato-da-vida, não passa de fantasia; pois, apesar de existir, não é. Pense nisso!

Caio Fábio D'Araújo
http://www.caiofabio.com/

*Imagem: "Cristo de São João", de Salvador Dali.

Um comentário:

Duran disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.