sexta-feira, 19 de julho de 2013

Carta a um jovem masturbador

Caro poeta com as mãos,

Longe de mim está a pretensão de precisão e beleza de um Rilke, ao escrever-te esta carta. Para muitos, isso aqui será um ato meramente cômico; para outros, de transgressão. Mas, na multidão dos leitores interessados neste tema – sem revelar que o são, afinal, ele não traz nenhuma boa reputação – talvez encontremos um sujeito, espero, sobretudo, que sejas tu, para quem essas palavras façam alguma diferença.

Sim, camarada, nosso mundo é repleto de hipocrisia. A mais sórdida delas, se é que se pode estabelecer uma gradação neste caso, é aquela em que se aconselha ou repreende a alguém por ter feito algo que essa outra pessoa também já fez, às vezes com muito mais intensidade, mas fingindo nem sequer conhecer o que é na prática, tampouco admitir suas reais dificuldades nesta área. Sinto que você tem padecido basicamente de uma culpa que não é exclusivamente sua, um duplo fardo que está carregando pela excessiva falta de franqueza e solidariedade humanas por parte daqueles que o sobrecarregam com seus incautos preceitos.

Decidi escrever-te, enfim, meu conterrâneo dos impulsos, para ver se consigo te ajudar a desmistificar essas sombras moralizantes que têm assaltado sua consciência, também porque pouca gente até hoje teve coragem de te mandar um papo reto com honestidade. Mas não ligue pra eles, nem os condene; no fundo os algozes morais da religião e da sociedade também são de alguma forma vítimas devedoras de suas próprias condenações – afinal, não há quem julgue que não seja também julgado – foram ou são, portanto, apenas punheiteiros reprimidos.

Deixe-me te dizer uma coisa, que não sei se servirá de alento ou de ainda mais desespero: você não é o primeiro nem o último a sofrer esse tipo de “abuso” – que, obviamente, sempre virá travestido de “bom conselho”. Durante boa parte de minha adolescência ouvi inúmeras coisas sobre sexualidade em geral, e masturbação em particular, e preciso te dizer, a maioria delas foi inútil, fora da realidade e apenas gerou mais culpa. O pior de tudo era quando vinham recheadas de subterfúgios bíblicos, como a história de um camarada chamado Onã (Gn 38.8-10), que fora intimado por seu pai, Judá, a se deitar com sua cunhada Tamar, naquele momento viúva de seu irmão, o primogênito Er, para que o nome dele (do irmão) se perpetuasse na descendência. O problema é que o subversivo Onã arranjou um jeito de aproveitar do sexo com a cunhada sem gerar filho algum; falando o português popular, ele “tirou antes de gozar”. Pobre Onã, foi condenado só porque não quis fazer às vezes do irmão (imagine só, você fazendo um filho para perpetuar o nome de outro – coisas estranhas da cultura) e ainda teve que levar a fama de “inventor da masturbação”! Não preciso dizer que isso não passa de uma associação barata, mais uma forma tosca de encontrar “base bíblica” pra tudo. Enfim, quando vierem com esse papo de onanismo, você já conhece a história.

Mas não para por aí. Dizem também que masturbação é pecado porque, para conseguir o desempenho e o prazer desejados, precisamos imaginar o sexo com alguém. Veja só, meu caro, até nossos pensamentos querem vigiar, esses “big brothers” de hoje! E como queriam que você fizesse? Que pensasse nas Cataratas do Iguaçu enquanto se masturba? Ah, quem dera fosse possível expor os pensamentos e desejos mais profundos desses que tentam te oprimir, bem no instante em que o fazem! Não restaria palavra por palavra e o muro de Berlim de seu falso moralismo cairia sem precisar de muitas marretadas. Quem é capaz de suprimir ou controlar por completo seu mundo de desejos ou por onde sua mente vagueia que atire a primeira pedra! Ademais, os sonhos aí estão – e cada um sabe bem o que sonha, embora nem sempre o porquê – para mostrar o quão inútil é essa tentativa. Senão, pense comigo: você já deve ter escutado dos moralistas sexuais que a válvula de escape natural que Deus deu para que você se alivie sem precisar da “horrorosa punheta” é a chamada polução noturna, certo? O problema é que, via de regra, esse mecanismo natural precisa de um estímulo, que acontece enquanto dormimos e geralmente vem do próprio sonho. Então que nos digam os carapálidas politicamente corretos: que tipo de sonho seria esse? Sonho com uma borboleta pousando numa flor em um jardim? E que controle tem essa pessoa sobre esse sonho? Certamente haverá alguém para defender que somos inocentes enquanto dormimos. Isso porque são santas demais para ler a opinião de um profano chamado Freud, que afirmou, dentre outras tantas coisas, que sonhos são liberações fantasiosas de desejos reprimidos.

Dessa maneira, assim como eu, você também deve ter percebido o quanto de esquizofrenia e doença há nessa moral religiosa. Mas não se espante tanto, coisa muito pior tem por debaixo desses densos lençóis cobertos de brancura. Talvez seja porque certo dia a humanidade lhes foi roubada e, desde então, quem sabe em busca da sobrevivência em função da humanidade perdida, tais pessoas tornaram-se práticos ladrões de humanidade. Contudo, uma palavra de esperança a você, caro amigo, ainda é possível. E ela é: você pode resistir a este nefasto assalto a sua humanidade, e essa capacidade é dom oferecido pelo Deus de vida e liberdade, e não de morte!

Se ainda posso lhe dar uma dica simples (porque lição, só Deus e a vida é quem dão), aí vai: desencane! Não vale à pena entrar nessa “pilha” que os apologistas do politicamente correto no campo da sexualidade têm tentado colocar sobre você. Até porque, no fundo, nem eles sabem o que dizem e a extensão do mal que causam em pessoas antes saudáveis. Quer saber o que eu penso? Se Deus nos fez sexuados para que, na prática, fugíssemos de nossa sexualidade como o Diabo da cruz, esse Deus só pode ser sádico ou um louco. Então, não tenha vergonha de sentir o que sente, porque é natural e o Criador disse que era bom no começo. Tenho a impressão de que quanto mais tranquilos tentamos ser em relação a nossos ímpetos, quanto mais tirarmos o ar de “proibido” da libido, menos fissurados e tiranizados seremos pelos nossos desejos, até porque somos animais, mas não necessariamente irracionais.

Antes de tudo, dê um voto de confiança a si mesmo, pois é isso que estou tentando fazer agora, ou seja, falando de uma liberdade rumando à maturidade. Assim, tente desenvolver hábitos de vida física, mental e espiritual, no sentido mais abrangente e integral, que te permitam curtir a vida, a si mesmo e seus relacionamentos sem neuroses, nem ter que abusar nem extrapolar os seus limites e os do outro, porque o gozo e o prazer ilimitados também são uma forma doentia e autodestrutiva de se relacionar com a vida. E evite essas competições pessoais masturbatórias (por mais curiosas e às vezes divertidas que possam parecer), pois o prazer é bom, mas sete vezes ao dia não tem nada de perfeito. Torna-se desgosto, desgaste, enfado, e não foi pra isso que Deus criou nossa sexualidade. Imagine você almoçando e, ao se deleitar tanto nesse almoço, resolve então repetir mais umas seis vezes, o que acontecerá? Agora, quer pagar pra ver? O corpo, a consciência e a vida são seus, meu camarada, só fique atento para o que eles te dizem, o que nem sempre é: “Vamos lá, mais uminha hoje”.

Jonathan

Imagem: Young Man Sitting by the Seashore, Jean Hippolyte Flandrin, 1836, Oil on canvas, 98 x 115 cm, Musée du Louvre (Paris, France).

quarta-feira, 3 de julho de 2013

As palavras e o silêncio

Emudecer-se, calar-se... deixar que as vozes de dentro não se misturem e não se confundam às demais vozes e aos muitos ruídos do cotidiano. Até porque, quando elas se misturam demais (e esse é o risco o tempo todo), podem não passar de meros... ruídos!

Zacarias, marido de Isabel e pai de João Batista, ficou forçosamente mudo por certo tempo. Seu ceticismo o incapacitou de enxergar a boa nova saltitante ao seu redor como gazela no cio; as vozes de sua descrença e de seu materialismo, por um momento, falaram mais alto que as da esperança, e precisaram ser caladas para que, quem sabe, esta última pudesse, de novo, ter alguma voz e no ser fazer morada.

Eis a magia de seu período de silêncio: quando enfim ele voltou a falar, com o nascimento de seu filho João, seus lábios proferiram beleza, exultação no espírito, louvor, sabedoria... Palavras cheias da graça e do poder de Deus. Palavras que acertaram o alvo, o mote, a base de tudo: a vida!

Tenho a impressão de que quanto mais nossas palavras nascem da agitação, mais elas tendem a falhar na pontaria, a se perder no meio de outras, e não produzir nada além de ruídos, barulho que ensurdece os ouvidos e não toca o coração, a não ser para machucar. Quando, porém, se fazem filhas do silêncio, da escuta atenta, da revisão, da reflexão e da oração (mesmo sem discurso), as palavras não são simplesmente jogadas ao vento, mas são simbióticas, misturam-se com a vida, produzem vida.

Honestamente, amigos e amigas, sinto que preciso também, como Zacarias, me calar por um tempo, ou antes que o tempo não me silencie de vez e nada mais possa ser dito, para o bem ou para o mal. Sim, pois a palavra humana é encharcada da ambiguidade e do paradoxo próprios de ser humano, que todos reconhecemos de pronto quando olhamos direta e crucialmente para dentro. Por essa razão, seu encontro com a Palavra de Deus é um milagre, quando há lastro a ser preenchido pelo Espírito, razão pela qual precisamos do silêncio como lugar de visitação perene, pois, no silêncio nossa palavras podem engravidar do Espírito e, pelo Espírito, ser gerada com, e para gerar, vida.

Espero, assim, no silêncio reencontrar sentido e razão próprios ao meu falar, já gasto e enfraquecido, em parte pela agitação e em arte pela descrença, para não residir permanentemente na casa do descrédito. Pois tenho aprendido que o falar, por si só, é um ato vazio; que quem muito fala, como diria minha avó, corre o risco de “falar pelos cotovelos”, ou seja, de falar e não dizer coisa alguma. A palavra certa no tempo certo, contudo, “é como a jóia feita por encomenda” (Pv 25.11): pode ser recebida como dádiva, e repartida com gratidão.

(Imagem: "The sounds of silence", by Skierscott)

Jonathan