quarta-feira, 5 de novembro de 2008

O dia de uma Flor

Hoje é o dia de uma flor… A mais linda que conheço.
Flor que desabrochou ha oito anos atras em minha vida
e desde entao tem feito dos meus dias, dias mais alegres.
Para mim ela é uma flor rara, a qual nao se encontra sempre, em qualquer lugar.
Ela tem uma beleza so dela, uma ternura inconfundivel
e um perfume suave, que todos os dias desejo cheirar;
é o meu aroma de todas as manhãs e de todas as noites...

Sinto saudades do seu cheiro e do seu gosto, minha flor...
Sinto saudades de te olhar todos os dias e lembrar que você é minha.
Sensação indescritivel, que nem a distancia momentânea me fez esquecer...
Sinto saudades do carinho que você me da, simplesmente sendo você, essa flor tão linda por dentro e por fora, e do amor livre e descomplicado com que você tem me amado...

Perdoa-me, minha flor, pelos dias em que não cuidei bem de você,
em que te fiz triste, em que não te reguei com o amor que você merece... às vezes é tão dificil ser algo mais do que apenas esse ser cheio de defeitos que sou...
Mas o tempo e a distância têm me curado de muitas coisas, e so aumentado meu amor por você.
Te amo nas pequenas coisas... quando rimos, quando choramos, quando nos amamos,
e até mesmo quando você esta brava (fica ainda mais linda).
Amo-te ate mesmo em seus momentos de silêncio,
e jamais deixei de te amar, mesmo quando meu desejo foi ficar so,
ficar longe por um tempo...
Te amo porque você e minha cumplice e porque ambos respeitamos nossa individualidade...
Te admiro muito por ter me deixado partir por um tempo,
por me ter dado liberdade, e por ser tão forte, mesmo na fraqueza...

Cibele, você é minha flor, minha mulher, minha amante, minha pequena,
dadiva de Deus que aprendo a valorizar a cada dia mais...
Feliz Aniversario... Que Deus te conceda muitos anos mais de vida,
e me faça o homem mais feliz do mundo permitindo que eu viva a seu lado neles.
Te amo do tamanho do infinito...

Sinceramente seu,

Jonathan
Paris, 5 de Novembro de 2008
(Ps. Desculpe os erros ortograficos, esse teclado francês e estranho).


3 comentários:

Cibele disse...

Obrigada amor... Fiquei muito emocionada com suas palavras. Espero, ansiosamente, te reencontrar. A saudade dói, mas "a distância é como os ventos: apaga as velas e acende as grandes fogueiras".
Te amo...

Carlos Xavier disse...

hehehehehe
Valeu Jonjon
Mandou ver heim cara...
Vc falou em fogo e a Cibele acendeu uma fogueira hehehehe.
Assim, o clima em Amsterdan vai subir...
Blz bichão, parabéns pra vcs.
Bjos
PC

Jenifer disse...

Lindo texto jon... saudades!
Beijos